Página Inicial Imprensa Noticias Governo do Ceará inaugura obra do Plano de Segurança Hídrica que aumenta a garantia hídrica para a população da RMF

Governo do Ceará inaugura obra do Plano de Segurança Hídrica que aumenta a garantia hídrica para a população da RMF

Avalie este item
(1 Votar)

A obra compõe o Aproveitamento do Aquífero do Pecém foi desenvolvida pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do Ceará (Cogerh) e custou aos cofres públicos o valor total de R$ 6.516.499,04

 

170125 POCOS PECEM CG8280 webA Região Metropolitana de Fortaleza recebeu mais uma obra do Plano de Segurança Hídrica do Estado do Ceará. Nesta quarta-feira (25), no Pecém, o governador Camilo Santana inaugurou a  bateria de poços, adutoras e estações de bombeamento, que permitirão o melhor aproveitamento das águas do Sistema Metropolitano. Com 38 poços que garantirão aproximadamente 200 litros por segundo, a intervenção reduz o envio de água para a região do Complexo Industrial Portuário do Pecém (CIPP) e reforça a garantia hídrica para localidades da RMF.

 MVS0018 webA obra compõe o Aproveitamento do Aquífero do Pecém foi desenvolvida pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos do Ceará (Cogerh) e custou aos cofres públicos o valor total de R$ 6.516.499,04. A água do sistema reforçará o abastecimento do município de São Gonçalo do Amarante e distritos próximos.

Durante a solenidade de inauguração, realizada às margens das novas estações de bombeamento, Camilo Santana enfatizou o empenho do Governo do  MVS0160 webCeará, utilizando de recursos  próprios, para assegurar que não falte água na casa dos cearenses.

"A ideia é que a gente possa diminuir o consumo que vem do Castanhão aqui para a região do Complexo Portuário do Pecém. Essa ação de hoje representa mais ou menos entre 20% e 30% do consumo do complexo, por isso é muito importante. A prioridade do Estado é a garantia do abastecimento humano da população cearense. Vamos ter sempre desafios e problemas a serem enfrentados. Mas estamos sempre monitorando, com toda a equipe e apoio do Governo do Estado para encontrar alternativas", disse o governador.

170125 POCOS PECEM CG8215 webA intervenção no Pecém foi possível após estudos desenvolvidos pela Cogerh, avaliando o potencial hídrico da região. As pesquisas apontaram para considerável reserva de água no subsolo, com possibilidade de recargas diretas e anuais. Essa recarga é possível devido principalmente a dois fatores: o tipo de solo (arenoso e preservado) da região e às médias de chuvas no litoral, que mesmo em anos ruins, costumam atingir ou até superar as do Estado. Cogerh e Sohidra já realizam testes na região da Taíba/Siupé para ampliar os recursos hídricos.

Nos 38 poços, a água é reunida em duas Estações de Bombeamento (EB). Dessas EBs, são aduzidas ao Reservatório Apoiado do Pecém (RAP), de onde seguem para alimentar os consumidores finais.

Hoje, de acordo com estudo da Cogerh, no Ceará, 67,29% das águas são utilizadas para o abastecimento humano e 7,02% são dedicados ao setor industrial. O restante se divide em irrigação (20,8%), carcinicultura (3,84%), piscicultura (0,36%) e demais usos (0,69%).

"Essa intervenção é algo inovador no Brasil. Estamos integrando as águas superficiais. Alguns países já fazem isso e acredito que o Ceará está sendo inovador nesta ação. A obra vai aliviar o sistema do Pacoti, Riachão e Gavião, assim como o Castanhão, por isso é fundamental. É uma obra estruturante para a Região Metropolitana e parte importante do compromisso assumido pelo governador Camilo Santana com o Plano de Segurança Hídrica", expôs o presidente da Cogerh, João Lúcio de Farias.


Sobre o Plano

Elaborado em 2015, o Plano de Segurança Hídrica do Governo do Ceará reúne ações, em parceria com a Cagece, Cogerh e Superintendência de Obras Hidráulicas (Sohidra), com apoio da Secretaria de Recursos Hídricos (SRH) e Secretaria das Cidades (SCidades), que têm como objetivo reduzir em 20% o consumo de água, com investimentos previstos em R$ 72,1 milhões.

As ações são: o reforço no combate às perdas de água (fraudes e vazamentos); a perfuração de novos poços e manutenção dos já existentes em áreas críticas de abastecimento e em equipamentos públicos (saúde, educação e segurança); a perfuração de poços no Pecém; o aproveitamento do sistema hídrico do Cauípe; o aproveitamento do açude Maranguapinho; o reúso das águas de lavagem dos filtros da Estação de Tratamento de Água do Gavião; a captação pressurizada de água no açude Gavião; o reforço no abastecimento de Aquiraz com implantação de adutora de água tratada; a revisão da meta da Tarifa de Contingência (aumento da meta de economia de água pela população de 10% para 20%); a redução da oferta de água em 20% para indústrias da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF); e o plano de Comunicação.

"Desde que assumimos o Governo em 2015, criamos um grupo permanente para monitorar e avaliar a situação hídrica do Ceará. Já vínhamos há praticamente três anos de seca e fizemos um plano emergencial de médio a longo prazo, com a grande preocupação de conviver com a seca. Sei que é um fenômeno natural, não vai acabar, que vamos sempre ter que sempre aprender a lidar com ela. Com criatividade, tecnologia, pesquisa e inovação, nós vamos em busca de encontrar as melhores soluções", detalhou Camilo Santana.


Desenvolvimento em meio à seca

R MVS0157O evento no Pecém reuniu representantes de secretários, prefeitos, gestores de Cagece, Cogerh e Sohidra, além de empresários envolvidos no apoio às obras. Em pronunciamento, o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), Beto Studart, ressaltou o trabalho de articulação do Governo do Ceará ao reunir todas as partes para o processo de busca por alternativas que possibilitem a segurança hídrica no Estado.

"O cearense amadureceu e despertou-se para esse ambiente de superar e encontrar soluções. A gente vislumbrava há cinco anos toda essa situação difícil, e de repente governo, iniciativa privada, cientistas, todos começaram a desenhar planos. Chegamos no final da temporada perversa para o Ceará e nem por isso deixamos de crescer. Então eu vejo que o período de seca despertou o surgimento de novas tecnologias que estão e vão ficar para as outras gerações", afirmou.

Para o secretário dos Recursos Hídricos do Ceará, Francisco Teixeira, o legado deixado na atual gestão é o de evitar o sofrimento da população no período sem chuvas. Com estudos, pesquisas e ação em obras, segundo ele, os frutos serão colhidos nos próximos anos com um Estado semiárido capaz de administrar com competência as consequências da situação climática.

"Isso foi fruto de um trabalho técnico de equipes de vários órgãos. Secretaria, Cagece, Sohidra, que construiu os poços, Cogerh, responsável pelos estudos geofísicos, e a parte de engenharia especial. Todos fizeram o possível para que hoje tenhamos a garantia dos 200 litros por segundo, que não é algo trivial. Eu diria que, a continuar da forma que estamos trabalhando, tendo em vista que a seca meteorológica passe esse ano, temos que continuar neste estado de atenção e de alerta para evoluir no desenvolvimento de fontes alternativas", disse Teixeira. 


25.01.2017

André Victor Rodrigues
Repórter / Célula de Reportagem

Fotos: Marcos Studart / Governo do Ceará

Ler 157 vezes Última modificação em Quinta, 26 Janeiro 2017 13:28